Arlete Lima: empreender para fazer a diferença

Natural de São Luís do Maranhão, Arlete de Oliveira Lima não tinha a menor necessidade de mudar: construiu uma carreira de 13 anos na área de RH em multinacionais, desenvolvendo projetos no Brasil e internacionalmente. Mas o que fez a libriana de 37 anos a adotar um novo caminho, no qual a estabilidade não é regra, foi a vontade de fazer a diferença na vida das pessoas.

Hoje, ela trabalha como Coach pela internet, a fim de desenvolver carreiras e realização profissional. “Quando trabalhamos em empresas, temos de seguir as direções da companhia. Entendi que era a hora de seguir meu o direcionamento próprio para ajudar pessoas. Gosto de interagir com o pessoal. Tudo que faço tem um foco para chegar em alguém, levar um conteúdo, fazer com que a pessoa se desenvolva e seja percebido como um profissional diferenciado. Eu costumo dizer que o meu trabalho é ajudar as pessoas a construírem o seu caminho profissional e se sentirem mais felizes e realizadas com o que fazem”.

Formada em administração com pós-graduação em gestão de pessoas, Arlete já somava ampla experiência com desenvolvimento de lideranças, carreira e treinamentos. Mesmo assim, especializou-se como coach em 2011 e, há um ano, decidiu investir no próprio negócio. “Uma das dificuldades é largar o nosso eu e as coisas que achamos boas. O que me interessa pode não agradar aos outros, assim como o que não é o mais interessante para mim vai agradar as outras pessoas”, conta.

Além de identificar os interesses do público-alvo, outro obstáculo inicial foi desenvolver habilidades que, até então, ela não precisava ter. “Hoje o que demanda mais de mim é como gerenciar o negócio. Tenho que desenvolver a estratégia e executá-la. Tenho de escrever, produzir vídeos e atender os meus clientes. Atuar em várias frentes é um grande desafio, mas esses que são legais”, continua.

Para as mulheres que, assim como ela, desejam trocar a carreira corporativa pela autônoma, uma das dicas que a empreendedora hoje radicada em Campinas dá é aprender a delegar. “Ela não vai conseguir fazer tudo sozinha e precisa envolver outras pessoas no negócio”, observa. “A empreendedora também precisará saber o que quer e qual é o seu objetivo. No entanto, ela não pode ser inflexível, porque ela idealiza algo, mas as coisas vão tomando outro direcionamento.”

Empoderamento

Além de ajudar as pessoas a melhorarem suas performances profissionais, desenvolvendo foco, organização, comunicação, liderança, realizar uma transição de carreira ou conquistar novas colocações no mercado de trabalho, Arlete é co-fundadora do Programa Suba no Salto e Tome as Rédeas da Sua Vida. Este acontece em encontros presenciais com mulheres que querem desenvolver-se em todas as áreas da vida. “O projeto visa desenvolver o mindset da mulher, que cada vez mais é cobrada por assumir muitos papeis na sociedade – mulher, mãe, empreendedora, amante – e ser bem sucedida em todos eles. O mais legal é vê-las resgatando a sua essência e definindo prioridades ligadas ao seu propósito de vida”.

Depois de trabalhar o primeiro grupo de mulheres, o programa terá sua segunda edição iniciada já em abril. “A mulher tem muita dificuldade em precificar o que ela faz. Ela quer que aquele negócio gere apenas uma renda complementar para a família, mas não enxerga as possíveis oportunidades e como fomentá-las”, observa, acrescentando que, a partir de perguntas poderosas, é possível fazer com que a mulher questione o posicionamento dela e adote uma postura mais proativa, a exemplo da empreendedora, Alana Martins, que trabalha com marketing digital e conseguiu multiplicar os rendimentos por 10 em apenas dois meses.

 

Profile photo of Camila Silva

About Camila Silva

Jornalista especialista em contar histórias de superação. Feminista, sonha em criar um mundo mais igualitário e justo para as mulheres por meio da informação. Além do Voa, Maria, está à frente da Maria Comunica, agência de comunicação pautada por resultados e relacionamento.