Joanna Gonçalves: o poder das parcerias online

Cada dia mais grupos no Facebook têm mais e mais adeptos. O do Voa, Maria mesmo é um bom exemplo. Desde o primeiro dia útil deste ano, reuniu quase 4.500 pessoas. No entanto, a grande incógnita é: como gerar resultados a partir das experiências nas mídias sociais que vivemos diariamente? A empreendedora paulistana Joanna Gonçalves tem a resposta. Aos 38 anos, a dona da Baki Estética troca serviços para aumentar o alcance e as indicações do seu estabelecimento. “As mulheres precisam se unir para fazer parcerias”, dispara.

Uma das parcerias fechadas este ano foi com uma consultora de imagem que mora em Curitiba. “Aos clientes que compraram um pacote de serviços, damos uma consultoria de graça. Assim, a parceira vai vender o peixe dela para dar continuidade ao serviço. É uma estratégia que os clientes gostam e que acaba não tendo custo nenhum”, ensina.

Outra estratégia para dar mais visibilidade às ações é fazer o post cruzado: em seu Instagram, Joanna divulga os serviços da empresa parceira e vice-versa, o que traz mais seguidores para a Baki Estética. “Também conheci em comunidades uma menina que é jornalista e faz serviços de blog. Então ela fará tratamentos e, em troca, vai escrever um blog para mim. E isso funciona muito, pois quando há troca de serviços, vejo que os parceiros se dedicam mais”, observa.

Fora as parcerias, Joanna se dedica bastante a excelência da prestação de serviços da Baki, pois a missão da empresa é fazer com que os clientes tenham uma experiência transformadora. Tanto que este sentimento é expresso até no nome: Baki é uma cidade do Azerbaijão, país em que viveu por um ano para acompanhar o marido em uma oportunidade de trabalho.  “Foi um ano sabático. Não conseguiu emprego, mas tive de aprender a me portar [o país é ultraconservador], conviver com outras culturas. Me joguei de cabeça na experiência e tirei tudo que podia aprender dali. Entrei até em um clube de mulheres de diferentes culturas, para ajudar uma a sobreviver. Voltei sendo outra pessoa ao Brasil”, lembra.

Por conta do cenário econômico, em que Joanna sente que as pessoas “estão com um pé no freio antes de gastar” e também pela concorrência, a empreendedora investe no ótimo atendimento e também na fidelização dos clientes. Assim, além de proporcionar treinamentos constantes aos colaboradores e garantir atendimento exclusivo, ela também criou um programa de fidelidade para os clientes mais assíduos. “São vouchers de desconto para usar no próximo mês. No dia do aniversário do cliente, ele ganha uma massagem e dou cortesias de tratamentos aos mais fiéis”, revela.

Recomeço

Formada em ciências contábeis, Joanna trabalhou por 17 anos como auditora de instituições financeiras e trabalhava em ritmo alucinante até a primeira gravidez, em 2013. “Durante a licença-maternidade percebi que poderia viver fora do furacão. Pensei em abrir uma empresa para ter flexibilidade, levar e buscar minha filha na escola”.

Foi então que ela decidiu investir no próprio negócio, um centro de estética, pois era um ramo em que, apesar de não ter conhecimento sobre os procedimentos, ela saberia criticar muito bem a fim de garantir a alta qualidade do negócio, pois sempre foi uma consumidora assídua deste tipo de serviço. Depois de uma experiência mal sucedida enquanto franqueada, a empreendedora lançou no dia 4 de janeiro a Baki, que já tem obtido bons resultados. “Para quem quer iniciar um negócio, apesar de ser clichê [e ela deixa claro que detesta clichês], que tem que ser um negócio em que você seja boa e apaixonada por aquilo. Eu não fiz estética. Cuido da parte administrativa, mas sou muito boa em gerenciar pessoas, em administrar o negócio. Eu era apaixonada por estética. Se você acredita no seu negócio, você consegue vendê-lo melhor”, finaliza Joanna, que aconselha ainda as novas empreendedoras a evitarem “modinhas”.

Profile photo of Camila Silva

About Camila Silva

Jornalista especialista em contar histórias de superação. Feminista, sonha em criar um mundo mais igualitário e justo para as mulheres por meio da informação. Além do Voa, Maria, está à frente da Maria Comunica, agência de comunicação pautada por resultados e relacionamento.