Élida Aquino, da Afrôbox: “Quero ser uma marca relevante o bastante para transformar o mundo”

Depois de anos de chapinha e alisamento, a ditadura do cabelo liso finalmente acabou. Vivemos uma era em que o natural é cada dia mais valorizado, assim como o poder de escolha de usar os fios da forma que quisermos. E todo este movimento de empoderamento e também questionamento dos padrões de beleza resultou em novas demandas e oportunidades. Foi a partir desta análise que nasceu  Afrôbox, clube de assinaturas de cosméticos voltados para mulheres negras.

Estudante de Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Élida Aquino, de 25 anos, conta que está sempre preocupada em se envolver em projetos que possam potencializar principalmente mulheres, a fim de contribuir com o desenvolvimento de pessoas. Foi este sentimento que a levou a trancar a faculdade e investir em cursos e iniciativas que promovem o empreendedorismo, como a Iniciativa Jovem, da Shell, e Universidade da Correria. “Já tinha interesse em abrir meu próprio negócio e, por isso, comecei a prestar atenção nas oportunidades, principalmente na convivência com mulheres de militância negra”, acrescenta.

A empreendedora carioca de Anchieta, bairro do subúrbio do Rio, então teve a ideia de aproveitar a moda de clube de assinaturas, personalizando-o para a promoção da beleza afrodescendente. “A Afrôbox surgiu da vontade de falar do mercado da beleza para mulheres negras, que ainda são muito esquecidas pelas grandes marcas e falta diálogo direto entre marca e cliente final. Quis criar algo inovador. Trocava ideia com amigas do exterior sobre como seria bacana e confortável receber produtos em caixas e elas me inspiraram a fazer o mesmo aqui”, lembra.

Lacunas

Mas como tirar uma ideia do papel sem capital para investimento? Élida se cercou de sócios de diferentes habilidades. Ao lado de Bárbara Vieira e Graucianna Santos e Saulo Batista, ela criou um sistema de recomendação para o site, que funciona de forma semelhante ao Netflix. “Também criamos a plataforma em que o site opera e agora estamos estruturando o aplicativo”, comemora.

Depois de formar o capital humano da empresa, o desafio agora era buscar investimento, outro ponto bastante complicado na trajetória da empresa, de acordo com a empreendedora. “Somos um negócio de mulheres negras para mulheres negras, apesar de não ser um projeto exclusivista ou segregacionista. Mas a relação com investidores era sempre complicada, porque questões sociais e raciais incomodam. Tivemos de buscar alternativas, como o financiamento coletivo em canais de mulheres de impacto. Conquistamos a chancela da ONU [Organização das Nações Unidas] e Think Olga, mas ainda assim foi um desafio que conseguimos contornar.”

Uma vez estruturadas, a equipe da Afrôbox agora tinha de facilitar a comunicação entre marcas e consumidoras. “Sabemos que o interesse das marcas no público negro é oportunista e que elas estão colocando mais produtos nas prateleiras graças à pressão dos movimentos negros. É uma questão de mudança de posicionamento resultante do empoderamento de estético. Mas ainda não é nem perto do que deve ser, considerando que a população negra representa 53% da população e que ainda continua numa cota. A nossa tarefa é facilitar a comunicação para aproximar assinantes destas marcas, não só para consumir, mas para promover experiências”, analisa.

Desafios

Desde o lançamento, em dezembro de 2016, a Afrôbox já entregou 200 caixas, marca que para Élida é surpreendente, visto que “muitas pessoas tinham preconceito em comprar pela internet”. Porém, o clube de assinaturas ainda tem uma série de desafios. O primeiro delas é transformar leads em assinaturas. “Muita gente compra só para experimentar, mas temos de fazer com que esta cliente se transforme em assinante semestral ou anual”, aponta.

Outro desafio é trazer pequenos produtores para o negócio, a fim de criar oportunidades para desenvolvê-los. “São marcas veganas orgânicas, por exemplo, que não estão na mesma escala de grandes produtores e não têm poder econômico para escalar. Oferecemos uma boa oportunidade deles se venderem.”

Diferenciais

Mas nem tudo é desafio. Uma das vantagens apontadas por Élida é que a Afrôbox proporciona a entrega de produtos em lugares isolados, como Roraima, em que não há a distribuição de determinados produtos para mulheres negras.

“E a curadoria é a parte mais bacana do nosso processo, pois temos a missão de levar produtos realmente relevantes em caixas diferenciadas. Não entregamos caixas generalistas, mas sim produtos que realmente sirvam para as assinantes e que justifique o investimento na assinatura”, conta Élida. Neste processo, a Afrôbox conta com especialista em pele e cabelo afro, além de contar com 15 modelos no site, para que a assinante indique qual é o tom mais próximo da pele dela.  Vale ressaltar ainda que, caso a cliente não goste do produto, a equipe troca.

Mais que promover a beleza e desafiar padrões, Élida sonha em transformar o espaço em que ela vive. “Queremos gerar emprego e transformação social, absorvendo mulheres que o mercado de trabalho tradicional não absorveria. Também quero que os colaboradores trabalhem felizes em nosso ecossistema e tenham remuneração justa, com maior qualidade de vida e descobertas. Quero ser uma marca relevante o bastante para transformar o mundo perto de mim e criar uma rede de irmandade, cooperação, de cuidado umas das outras”, conclui.

Profile photo of Camila Silva

About Camila Silva

Jornalista especialista em contar histórias de superação. Feminista, sonha em criar um mundo mais igualitário e justo para as mulheres por meio da informação. Além do Voa, Maria, está à frente da Maria Comunica, agência de comunicação pautada por resultados e relacionamento.