Colunistas

Tendências: saiba quais são os comportamentos da mulher empreendedora

As mulheres sempre tiveram um papel central dentro de suas casas e no cuidado com as famílias. A ideia de que elas podem ter uma vida profissional, para além do matrimônio e maternidade, é uma ideia relativamente recente que ainda não fui totalmente aceita culturalmente.

Nas últimas décadas as mulheres têm conquistado cada vez mais espaço na sociedade, nas salas de aula, cadeiras de trabalho e inovações. Com isso, tem sido possível colocar em prática seus conhecimentos e desenvolver habilidades que favorecem cada vez mais a sua independência e aumento de autoestima.

Uma pesquisa realizada por Hilka Vier Machado e apresentada para a Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração (Anpap) mostrou diversos pontos importantes caracterizados como tendências e comportamentos de mulheres empreendedoras. Após uma análise documental, agrupou-se as tendências e comportamentos da mulher empreendedora em quatro aspectos:

  • Processo de tomada de decisão participativo, predominando a valorização do indivíduo, estilo influenciado pela “ética do cuidado”, com uma visão compartilhada, descentralizada e com respeito às diferenças;
  • Postura conservadora face ao risco financeiro, com menor propensão a envolvimento em situações onde o resultado financeiro é incerto;
  • Estilo e escolha com estratégias voltadas a preocupação com a qualidade dos serviços, favorecimento da contratação de outras mulheres e do envolvimento familiar, e estilo inovador;
  • Estrutura organizacional não hierárquica, ou seja, uma estrutura que se assemelha a uma roda, onde a proprietária fica ao centro e se conecta com os colaboradores.

Ao analisar estes aspectos, considera-se importante o fato de que, tradicionalmente, as mulheres sempre foram responsabilizadas pela manutenção dos relacionamentos familiares. Em diferentes momentos históricos, em diferentes culturas, em diferentes regiões geográficas, as mulheres sempre foram, e, muitas vezes, ainda são, vistas de acordo com seus papéis de filhas a esposas ou mães, que têm seus status definidos pelo homem no relacionamento. Para algumas pessoas ainda é difícil enxergar a mulher como uma profissional, como uma empreendedora, para além de seus outros papéis.

Contudo, cada vez mais as mulheres jovens se unem a força de trabalho e utilizam as características que foram ensinadas a ter em casa, para colocar em prática no trabalho, procurando melhor alcance de resultados. A ideia de que a mulher pode trabalhar fora e usar os conhecimentos a seu favor dão pontos a mais para mulheres empreendedoras desenvolverem habilidades e práticas para fortalecer suas ideias e crescer com seus negócios.

Por exemplo, a ideia de estrutura organizacional não hierárquica assemelha-se a forma que as mulheres costumam gerenciar seus lares, num estilo colaborativo e fluído. Da mesma maneira, o uso de poder, as mulheres tendem a vê-lo e utilizá-lo em prol do sistema relacional, contextual e consensual; como se fosse um “poder para” algo e não um “poder sobre” algo ou alguém.

Em resumo, nós mulheres podemos utilizar os ensinamentos familiares, voltados aos lares e relacionamentos, a nosso favor no trabalho. Podemos ter as nossas tendências e comportamentos, que são características pessoais e ao mesmo tempo comuns a algumas mulheres, e direcioná-los para novos empreendimentos e inovações.

E você que está lendo isso… Já é empreendedora e tem utilizado suas habilidades a seu favor no trabalho? Quais comportamentos funcionais dentro da sua casa e família também são funcionais dentro do seu empreendimento?

Deixe um comentário contando a sua história!

LEAVE A RESPONSE

Amanda Caroline
Amanda Caroline Alves é terapeuta familiar, coach de mulheres e consteladora sistêmica. É também a idealizadora do programa online Venha se Encontrar.