Cynthia Mariah cria as próprias peças para valorizar cultura afro

Bastou uma experiência no mercado de trabalho – entre os 18 e 19 anos, como operadora de telemarketing- para que Cynthia Mariah percebesse que aquela não era sua vocação. “Entendi que não nasci para trabalhar para os outros. A minha vontade vai muito além de seguir ordem”, diz.

Então, em 2004, Cynthia criou sua marca homônima, em que produz roupas e acessórios que valorizam a cultura afro-brasileira. “Quando comecei, vendia só acessórios. Mas com o passar do tempo, percebi que as pessoas gostavam das peças que eu fazia. Customizava roupas só para mim, mas devido à procura, depois que terminei a faculdade [ela é formada em Design de Moda], passei a comercializar roupas também.”

Desfiles

A principal estratégia de Cynthia Mariah é ser uma marca de peças únicas. Assim, além de produzir modelos para desfiles e eventos, o trabalho de divulgação é bastante intenso. “Fiz muitos eventos e consegui fidelizar clientes. Quando crio peças novas, posto em um grupo de clientes no WhatsApp ou envio para as clientes que sei que vão gostar. Vendo delivery e só trabalho com hora marcada”, conta.

O diferencial de Cynthia, no entanto, a impede de trabalhar com lojas, já que neste caso, a exigência é de que ela entregue 10 peças idênticas para revenda. “Mas cada peça que produzo tem uma história única.”

Apesar dos desafios inerentes ao mundo dos negócios, a empreendedora comemora sua flexibilidade de horário. “Tive minha filha e consigo participar do desenvolvimento social dela. Consigo estar presente em eventos da escola e reuniões.”

Novas estratégias

Atualmente Cynthia afirma que está investindo mais na educação. Além da produção própria, a empreendedora oferece cursos de capacitação em seu ateliê na zona leste de São Paulo. “A maioria das mulheres que me procuram tem outras atividades profissionais, mas sonham em realizar o curso, porque o acesso a um curso de moda, para muitas é inacessível. Comigo, elas encontram a oportunidade de não deixar esse sonho morrer”, comemora.

E por falar em sonhos, qual é o de Cynthia? Além de ingressar no mundo acadêmico, ela sonha que a moda afro-brasileira seja mais reconhecida. “Principalmente por ser um país embranquecido, tudo que é voltado à cultura afro sempre foi muito podado. A moda afro foi o que ficou para trás em relação à cultura e está sendo mais difícil de conseguir espaço. Mas o cenário está melhorando, desde que eu comecei houve avanços”, finaliza.

Profile photo of Camila Silva

About Camila Silva

Jornalista especialista em contar histórias de superação. Feminista, sonha em criar um mundo mais igualitário e justo para as mulheres por meio da informação. Além do Voa, Maria, está à frente da Maria Comunica, agência de comunicação pautada por resultados e relacionamento.