Colunistas

Meu coração me fala “vai”, minha família me fala “para”: o que fazer?

Muitas mulheres se veem em situações delicadas quando tem o sonho de ter o próprio negócio, mas não encontram apoio no âmbito familiar. Surgem as dúvidas, angústias e incertezas que tomam conta do cotidiano e interferem fortemente na tomada de decisões e até na qualidade dos relacionamentos intrafamiliares.

Neste contexto, três pontos devem ser levados em consideração:

Âmbito pessoal

Primeiramente, você, mulher e futura empreendedora: Qual é o seu para quê? Para que você quer empreender? Em qual área de negócios pretende investir? Como está seu planejamento estratégico e financeiro?

Diferentemente de responder por quê, que remete a uma justificativa do passado, as perguntas acima são de grande importância e requerem respostas de aspectos futuros, que incluem maior grau de autoconhecimento, seguido por uma avaliação pessoal.

Saber qual é o seu para quê? te levará a outro nível de organização interna, bem como, saber quais são os seus valores pessoais e quais estarão sendo preenchidos com o empreendedorismo.

Valores

Os valores são construídos ao longo da vida a partir de experiências pessoais, base familiar e contexto social. Os valores regem as nossas decisões, pois é a partir deles que fazemos escolhas diariamente.

Por exemplo, desafio, aventura, reconhecimento, comprometimento consigo mesma, sucesso, competitividade, crescimento contínuo, mudança, inovação, entre outros, sao valores que podem estar correlacionados a aspectos de empreendedorismo, auxiliando a futura empreendedora a se conectar com as suas motivações internas e adquirir competência para fazer escolhas mais saudáveis, de acordo com suas metas e objetivos.

Por sua vez, também é importante considerar os valores da sua família, considerando a transgeracionalidade e história familiar.

Âmbito familiar

Quando você fala do apoio da sua família, a quais os membros você se refere e a quais deles a aprovação é importante para você? Quão eles têm clareza dos seus sonhos internos e das suas ações para realizá-los? Quais as motivações da sua família para aprovar ou não o seu plano de empreendedorismo?

Os valores familiares são transgeracionais, ou seja, são passados de geração para geração. Em alguns momentos eles sofrem alterações hierárquicas e isto faz parte do processo de desenvolvimento.

Um aspecto de extrema importância é prestar atenção nos seus antepassados: quais membros da sua família já foram empreendedores? Eles tiveram sucesso ou insucesso? Falência ou abundância? E quais membros da sua família gostariam de ter sido empreendedores e abriram mão dos seus sonhos? Quais motivações eles tiveram para seguir em frente ou para deixar os sonhos de lado?

Muitas vezes, a reação da família sobre não apoiar o empreendedorismo tem uma base anterior, quando parte da família já sofreu consequências negativas devido uma experiência ruim, por exemplo, uma falência ou uma disputa por herança, advindos de uma tentativa fracassada de negócio. Experiências ruins criam crenças negativas e acabam limitando as visões de mundo sobre o assunto.

Uma boa estratégia é conversar com as pessoas da sua família, aquelas as quais a opinião é verdadeiramente importante para você, e compreender qual a história dessa família com empreendedorismo e quais os valores familiares que podem ser feridos ao você empreender.

Por exemplo, segurança, estabilidade, rotina, previsibilidade, ordem e organização, conforto, responsabilidade, entre outros. São valores de grande importância que podem ser passados de geração para geração. A arte de compreendê-los e respeitá-los possibilita uma melhor negociação entre você que quer empreender e a sua família que tem outra visão sobre essa prática.

Outro fator a ser considerado é o contexto social, cultural e econômico.

Âmbito social

É de extrema importância ter clareza sobre o campo em que você pretende empreender. Aspectos como, por exemplo, situação do mercado atual, se você vai trabalhar com produtos online ou entregues em mãos, quais os meios de divulgação que fará uso, se é necessário espaço físico diferenciado; nomes de pessoas que já empreenderam neste ramo e se tiveram sucesso ou fracasso; investimento e retorno financeiros; entre outros.

Ao ter maior clareza sobre estes pontos, fica mais fácil ter uma organização interna e ações mais assertivas, bem como, esclarecer dúvidas e aliviar angústias advindas dos membros da sua família.

A tendência, muitas vezes, é cair numa rotina de desânimo e ir deixando de lado o sonho de empreender. Nisso, as lamentações e responsabilização da falta de apoio familiar acabam tomando conta.

Permita-se olhar para seu sonho, colocar datas e metas para concretizar ações. Permita-se colocar-se em primeiro lugar, respeitando a história da sua família e respeitando os seus sonhos!

Dicas

Para ajudar você nesse momento, segue algumas dicas para ampliar o seu olhar, se conectar com o olhar da sua família e te auxiliar a dar os próximos passos para ser uma empreendedora:

  • Faça uma avaliação do seu para que, dos seus valores e seu propósito de vida. Quando estes pontos estão alinhados, você tem maior clareza do que fazer, força para tomar decisões mais assertivas e ter mais ações concretas.
  • Converse com as pessoas da sua família e descubra qual a história desta família com o empreendedorismo, compreenda os valores que podem ser feridos e explique seu ponto de vista. Quanto mais você tiver clareza e honrar a sua história, mais fácil fica de explicar suas motivações internas e encontrar equilíbrio em ambas as partes.
  • Tenha clareza do mercado atual, tenha um planejamento estratégico e financeiro e coloque todas as informações escritas de maneira concreta, com datas e números bem explicados. Apresente a proposta para a sua família e associe a visão de mercado com as suas motivações internas.
  • Vários especialistas dão dicas valiosas para que você tenha um planejamento sobre o que deseja empreender. Guarde uma quantidade de dinheiro antes de abrir o próprio negócio, e comece como microempreendedor individual para, posteriormente, migrar para micro empresa e ir crescendo conforme a demanda.

Em resumo: Ei, mulher, você não precisa abrir mão dos seus sonhos e também não precisa abrir mão de estar perto da sua família. É possível encontrar equilíbrio e negociar com ambas as partes para viver com maior leveza, qualidade de vida e de relacionamentos, e realização na profissão!

Se você já passou por essas dificuldades e conseguiu encontrar um meio de receber apoio da sua família, compartilhe a sua história e ajude outras mulheres a conseguirem empreender com o apoio que elas gostariam de ter!

Não esqueça de compartilhar essas dicas com as suas amigas! Elas podem estar precisando de uma mãozinha e nós do Voa, Maria, estamos aqui com as mãos e braços abertos para ajudar!

LEAVE A RESPONSE

Amanda Caroline
Amanda Caroline Alves é terapeuta familiar, coach de mulheres e consteladora sistêmica. É também a idealizadora do programa online Venha se Encontrar.